A Magia da Crença parte 2

“Verificaremos, por meio de um exame mais meticuloso, que ele (o pensamento) está verdadeiramente preso a limites muito reduzidos e que todo poder criador da mente não ultrapassa a faculdade de combinar, de transpor, aumentar ou de diminuir os materiais que nos foram fornecidos pelos sentidos e pela experiência”. 

-David Hume, Investigação Sobre o Entendimento Humano.

A inteligência pode ser definida como a resolução de problemas e compreensão de um sistema. Porém, a cognição referente aos dados que o universo fornece é obstruída por emoções e crenças que contrariam a realidade. Realidade esta, que não pode ser assimilada em sua totalidade pela limitação de nossa estrutura física e mental, pois percebemos o mundo apenas com nossos sentidos, e assim surgem as errôneas interpretações. Para entendermos os sistemas existentes no universo, devemos encontrar provas axiomáticas através de observação imparcial.

Um sistema X é constituído por partes que interagem entre si com determinado propósito (subsistema), formando variadas reações que em conjunto constroem este X. Se todas as engrenagens contidas em X são Y, então ao adicionarmos uma engrenagem Z que não condiz com a configuração original, o sistema falha. Se o universo funciona de modo fixo, e ao acharmos que funciona de modo diferente e criamos teorias inválidas para viver em desacordo com a realidade, o que criamos é um mundo fantasioso, uma irregularidade no sistema que constitui o universo. O que alguns chamam de ceticismo, eu chamo de olhar analítico. A famosa “Alegoria da Caverna” de Platão representa de modo epistemológico esta ideia.

p0204ia4

A Alegoria da Caverna

Uma atmosfera “paranormal” pairou sobre mim recentemente. Meses atrás me foi pedido para averiguar um homem que supostamente recebe comunicados de Deus e sente a presença do demônio. Nada disto seria um problema grave se, segundo ele mesmo, não fornecesse aulas de teologia por valores altos. Infelizmente a lonjura entre localidades e meus afazeres diários impossibilitaram qualquer opinião sobre a interessante ocorrência. Com minha mente fixa nestes fenômenos e semelhantes, decidi praticar um dos mais simples atos de prestidigitação, “entortar talheres utilizando poder da mente”, com objetivo de experimento social.

Este artifício me fez compreender como mágicos empregam desvio de atenção para manipular o público, e  quanto mais meu truque repercutia em frente a indivíduos diferentes, mais me sentia confiante e atuava como ilusionista, pois até mesmo espanto pude causar. Como não possuo habilidades lúdicas de um mágico, me limitei a este truque. Pessoas contemplaram o feito sem perceberem os sistemas por trás dele.

A façanha inocente não ludibriou totalmente meus observadores, porém golpes mais complexos usados para extorquir valores são praticados diariamente por charlatões.  Após meu truque revelado, alguns sentiram-se decepcionados por não conseguirem decifrar os subsistemas. Em outros, a decepção eclodiu pois a mágica em si perdeu a credibilidade após explicada, afinal, a realidade quando desmascarada não agrada nossos desejos. Similarmente, já pratiquei diversas vezes a “Rotina do triângulo dentro do círculo”, uma técnica ingênua de mentalismo.

Embora a maioria de meus conhecimentos na área sejam teóricos, já pude, de forma muito prática, presenciar e sentir eventos que muitos denominam sobrenaturais (possessão, toques divinos, força e velocidade sobre-humana). Um choque de realidade sobre crenças, particularmente religião, quebra o universo pessoal criado, e novos meios de vida devem substituir o que antes parecia perfeito, semelhante a “Alegoria da Caverna”.

Crenças Perigosas

Aceitar que sua crendice possa estar equivocada é angustiante, mas  por outro lado pode ser libertador, como a invalidação de: alienígenas (greys, reptilianos, angelicais, felinos, humanoides, etc), criaturas da criptozoologia (Pé Grande, Monstro do Lago Ness, Chupa Cabras, Vermes Gigantes, Skunk Ape, Yeti, Mapinguari, seres folclóricos, etc), estigmas, vidência, possessão, exorcismo, levitação, telepatia, telecinésia, projeção astral, espíritos, estátuas que sangram/choram, casas mal assombradas, superstições, numerologia, misticismo, rituais, Ouija, psicografia, radiestesia, mediunidade, reencarnação, índigos, magnetismo humano, áura, búzios, mensagens em sonhos, “mancias” (quiromancia, necromancia, cartomancia, etc), ectoplasmia, combustão espontânea, cirurgias/curas espirituais (Dr. Fritz, João de Deus, Zé Arigó, Kleber Aran), astrologia, divindades em pareidolias, feitiçaria, simpatias, vudu, satanismo, ocultismo, xamanismo, cristais, entre outros que não recordo ou desconheço.

realidade

Como já visto ao longo das décadas, seitas ou religiões baseadas na ufologia podem ser perigosas ou charlatãs. O caso conhecido como “O mistério das máscaras de chumbo” acontecido no Rio de Janeiro em 1966 repercutiu na mídia pelas estranhas mortes de dois homens e a suposta crença no ser cósmico Ramatís. Os cultos Ramatístas, a Cientologia e seguidores de Ashtar Sheran chamam atenção por possivelmente utilizarem de lavagem cerebral. Não esquecendo a famosa Heaven’s Gate, “seita alienígena” a qual os membros cometeram suicídio coletivo em 1997. No Brasil, o Projeto Portal mantém uma cidade estruturalmente desenvolvida por ensinamentos extraterrestres e mantém seguidores.

A mitologia extraterrestre contém diversos elementos. Os círculos nas plantações não passam de “pegadinhas” geradas através de estacas de madeira, cordas e criatividade, tendo o imaginário popular criado a relação com ovnis fazendo com que a notícia se espalhasse pelo globo. A existência  de aliens magros e cabeçudos é uma lenda moderna. O Chupa Cabras se tornou o responsável pelas mortes de animais rurais a partir dos anos 90 na América Latina, um mistério que continua sem solução.

As abduções, por outro lado, podem ser explicadas através de uma condição chamada de paralisia do sono, assim como por alucinações, traumas psicológicos ou sequestros camuflados como uma abdução com o intuito de esconder o verdadeiro objetivo do sequestro, como uma experiência científica ou social sem consentimento. Diversas vezes experimentos secretos foram realizados e anos depois expostos ao público através de denúncias, como o Projeto MKULTRA, os experimentos Nazistas, o experimento de Tuskegee.

O caso ocorrido na Amazônia em 1977 onde luzes vindas do céu atacavam a população foi tão gritante que a FAB (Força Aérea Brasileira) precisou averiguar a situação, sendo este o caso mais fantástico sobre o assunto ovni (conhecido como Operação Prato). A existência de discos voadores parece verídica em alguns casos, porém muito provável que tais naves tenham sido criadas por mãos humanas. Não creio que seres de outros planetas (caso existam) visitem a Terra.

Retornando para a Realidade

Como visto, a humanidade se encontra envolta em mistérios, muitos deles criados pela nossa própria imaginação. No vídeo abaixo, Penn e Teller revelam o raciocínio por trás do clássico “Bolas e Copos.”  Entender o truque não limita apenas ao entendimento do ato, mas sim amplia a lógica pessoal para distinguir a realidade da ilusão no cotidiano. Os ganhos variam da criatividade e assimilação individual, abrangendo outras áreas da existência humana.

Appel

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s